Outros projectos

EntradaProjectos2008Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo
Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 317

Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

Face à necessidade de proceder à realização de trabalhos arqueológicos de diagnóstico na área do traçado das condutas de rega projectadas para o perímetro do designado Povoado Calcolítico de Porto Torrão, foram adjudicados à Neoépica os trabalhos de decapagem mecânica nas áreas a ser afectadas, bem como a escavação manual de uma área de cerca de 300m².

Os trabalhos de decapagem mecânica permitiram registar os diferentes graus de concentração de vestígios, bem como as áreas limites do povoado, não muito longe daquilo que foi definido aquando dos trabalhos de prospecção dos anos 80 da responsabilidade de José Morais Arnaud. Com o intuito de uma melhor caracterização dos vestígios, procedeu-se à escavação manual de 11 sondagens.   
Os dados recolhidos na 1ª fase dos trabalhos arqueológicos de minimização de impactes e salvaguarda na área do Povoado pré-histórico de Porto Torrão (Ferreira do Alentejo), permitiram uma boa noção da relevância e do bom grau de preservação dos contextos ali existentes e da cultura material a estes associada.
Os trabalhos de decapagem mecânica colocaram a descoberto uma grande quantidade de vestígios, cuja análise de dispersão espacial vem mostrar que a linha definida como área do povoado aquando dos trabalhos de prospecção da responsabilidade de José Morais Arnaud nos anos 80 do século passado, não se encontra muito distante da realidade. Assim, as prováveis secções de fosso registadas ao longo dos trabalhos nos diferentes sectores, ao que tudo indica, estruturam uma espacialidade interior/exterior que se estende por ambas as margens da Ribeira de Vale Ouro, que corre no sentido Este-Oeste (VALERA, 2008, p.123). Um outro aspecto a realçar é o do carácter limite dos diferentes níveis interpretados como secções de fosso, encontrando-se no seu interior diversos vestígios de uma intensa ocupação, enquanto que para o exterior se nota uma clara diminuição ou mesmo a inexistência de qualquer contexto antrópico.

A análise de orientações e espacialidades das diferentes secções de fossos postas a descoberto aquando dos trabalhos a que se refere o presente relatório, bem como as conhecidas em intervenções anteriores (VALERA, FILIPE, 2004; VALERA, 2008), levaram ao desenho de hipóteses de trabalho, com a possibilidade de estarmos perante três linhas de fosso, uma primeira exterior, seguida por uma segunda linha, relativamente próxima, que se desenvolve longitudinalmente. Delimitando a parte central do povoado encontram-se as secções intervencionadas em 2002 (VALERA, FILIPE, 2004), seguindo-se em linhas gerais a proposta de António Carlos Valera (VALERA, 2008). Este tipo de análise, mais do que dados reais, procura fornecer hipóteses de trabalho a desenvolver em futuras intervenções, sendo estas que irão levar ao desenho da planta do povoado pré-histórico do Porto Torrão, assim como ao estipular de estratégias de ocupação e abandono, como ficou demonstrado pelos trabalhos arqueológicos de minimização e salvaguarda da REN em 2002  (VALERA, FILIPE, 2004).


Os trabalhos de decapagem mecânica e sondagens manuais agora levados  a cabo permitiram colocar a descoberto no interior das possíveis linhas de fossos, vestígios de uma intensa ocupação antrópica, na sua grande maioria composta por estruturas em negativo escavadas no substrato geológico que, devido à sua natureza argilo/margosa de textura muito branda e plástica, facilitou este tipo de estratégia, destacando-se a utilização destas mesmas argilas/margas na composição de elementos estruturais como pisos, reentrâncias, saliências, compartimentação e divisão de diferentes espaços. Entre estas estruturas em negativo salienta-se, para além das secções de fossos, as interfaces de base de uma cabana de planta rectangular na Sondagem V, extremamente bem preservada, permitindo o registo de todo o espaço, inclusive do piso de ocupação; a estrutura que, nesta fase, se interpretou como ligada à gestão de água; bem como o nível de piso/calçada em caliço de cor branca orientado sensivelmente Este-Oeste que surgiu na Sondagem XI.

No que diz respeito às estruturas em positivo, estas são mais raras, encontrando-se muitas delas quase à superfície, o que levou ao seu remeximento e destruição. Não obstante, foi possível detectar alguns contextos relativamente bem preservados como a base de muralha da Sondagem I, ou a base de cabana circular da Sondagem IV, devendo existir no canto N-O da Sondagem VII uma outra base de cabana constituída por elementos pétreos de médias dimensões.

No que diz respeito ao Sector 1, registaram-se contextos algo distintos dos restantes sectores. Nestes, os vestígios surgem quase à superfície, constituídos essencialmente por estruturas que cortam e enchem as argilas e margas geológicas, tendo a maioria sido alvo de processos de colmatação rápidos e de difícil leitura diacrónica. Já o Sector 1 revelou que pelo menos em parte, a geologia se encontra a mais de 1 metro de profundidade, facto que levou à deposição de várias camadas arqueológicas que em larga media devem ser representativas da diacronia do povoado, marcando diferentes fases e momentos de ocupação ao longo, provavelmente, de um largo período temporal.
É ainda de destacar o facto se terem já detectado duas inumações humanas, apesar da área escavada ser ainda muito reduzida tendo em conta a área a afectar, facto que nos leva a acreditar que a continuação dos trabalhos de escavação arqueológica irá permitir que continuem a ser colocados a descoberto outros contextos de inumação. 
  
  
Por último, uma chamada de atenção para a grande quantidade e qualidade dos artefactos que foram encontrados. Numa área total de escavação de cerca de 300 m², foram recolhidos mais de 2000 kg de material. Os materiais cerâmicos representam a grande maioria do espólio recolhido, encontrando-se fragmentos relativamente grandes e pouco rolados, tendo sido possível a recolha de algumas peças quase inteiras ou mesmo inteiras, indício de contextos pouco remexidos e bem preservados. Ao nível das tipologias destacam-se, pelo seu valor como elementos crono-culturais, os pratos de bordo espessado/almendrado, bem como, apesar de em menor número, as taças carenadas. A coexistência de ambos os elementos vem permitir uma atribuição cronológica na transição do 4º para o 3º milénio. Surgem igualmente taças de pequenas dimensões, bem como uma grande variedade de cerâmica de armazenamento. Os pesos de tear de tipo crescente ou placa encontram-se presentes em grande número, registando-se em algumas peças a presença de grafitos.  É ainda de notar o surgimento na Sondagem III (Sector 1) de alguns fragmentos de cerâmica campaniforme integráveis no estilo internacional.

No que diz respeito à pedra polida surgem em grande quantidade os elementos de moagem (moventes e dormentes), bem como alguns machados e enxós em anfibolito, fragmentados ou com sinais de uso intenso. A pedra lascada enquadra-se no pacote normal deste período: pontas de seta de base recta ou côncava; lâminas espessas; lamelas; furadores; lascas retocadas; núcleos; restos de talhe; etc. Uma breve observação dos artefactos de pedra polida e lascada realça o peso de actividades ligadas à agricultura, bem como o recurso a matérias-primas locais como gabro-dioritos no caso de elementos de moagem, ou o xisto em utensilagem como pontas de seta. Surgem no entanto alguns elementos de pedra talhada em sílex, bem como machados de pedra polida em anfibolito, presenças que revelam a existência de contactos inter-regionais na transacção de matérias-primas. 
Os artefactos de carácter religioso ou simbólico encontram-se também representados, destacando-se um fragmento de placa de xisto decorado em ambas as faces, um búzio apresentando decoração, um betilo fragmentado, uma presa de javali apresentando uma perfuração de suspensão e um fragmento de ídolo cilíndrico. Até ao momento, todos os artefactos simbólico-cognitivos foram recolhidos em contextos de enchimento de bolsas ou silos, tendo-se observado nestes a presença de estigmas como acidentes aquando da sua execução ou fracturas decorrentes da utilização, os quais terão levado ao seu abandono.

Os artefactos em metal surgem em baixo número, sendo esta uma característica de uma época em que a metalurgia é ainda muito incipiente. Assim, recolheram-se alguns punções, uma placa de função desconhecida, e outros pequenos fragmentos. Não se registou a presença de qualquer elemento artefactual relacionado com a produção metalúrgica, tais como escória ou cadinhos.
O conjunto faunístico recolhido é igualmente em grande quantidade e diversidade, encontrando-se (graças ao tipo de sedimentos argiloso que o envolve) bem preservado. Assim, a fauna mamalógica surge em grande número, tendo-se já notado a presença de ovelha/cabra, porco/javali, veado, cavalo, bovídeos e, possivelmente, cão. No que diz respeito à fauna malacológica nota-se que esta surge em menor número, com espécies como a vieira (Pecten maximus), amêijoa (Tapes decussatus) ou mexilhão (Mytilus sp.).
Pensamos que a natureza especial do povoado pré-histórico de Porto Torrão ficou bem vincado com os trabalhos realizados, os quais permitiram mais do que o complementar dos trabalhos anteriormente realizados, trazer toda uma nova luz perante um conjunto de importantes contextos que revelam de forma única a vivência de uma comunidade da pré-história recente.

Fontes bibliográficas:

ARNAUD, J. M., (1982), “O povoado calcolítico de Ferreira do Alentejo no contexto da bacia do Sado e do Sudoeste Peninsular”, Arqueologia, n.º 6, Porto, GEAP, p.48-64.
ARNAUD, J. M., (1993), “O povoado calcolítico de Porto Torrão (Ferreira do Alentejo): síntese das investigações realizadas” Vipasca, n.º2, Aljustrel, C.M.A., pp.51-61.
VALERA, A. C., (2008), “Mapeando o cosmos. Uma abordagem cognitiva aos recintos da Pré-História Recente”, Era-Arqueologia, 8, Lisboa, Era-Arqueologia/Colibri, p.112-127.

VALERA, A. C., FILIPE, I., (2004), “O povoado do Porto Torrão (Ferreira do Alentejo): novos dados e novas problemáticas no contexto de calcolitização do Sudoeste peninsular”, Era-Arqueologia, 6, Lisboa, Era-Arqueologia/Colibri, p.28-61.


Responsáveis pelo Projecto: Paulo Rebelo, Raquel Santos, Nuno Neto
Assessoria científica: Professor Doutor António Faustino Carvalho

Artigos relacionados:

Intervenção Arqueológica em Porto Torrão, Ferreira do Alentejo (2008-2010): resultados preliminares e programas de estudos
- Contextos e Objectos Simbólico-Religiosos do Porto Torrão: os Ídolos e as Placas de Xisto

Vêr Também:
- Porto Torrão (2ª Fase)

btn facebook

  • BANNERlevantamentosNEW
  • BANNERprojetoseventos

Arquivo

Sob a terra e as Águas

Sob a terra e as Águas

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Achados Arqueológicos do Carmo

Achados Arqueológicos do Carmo

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Sistema de lavagem de material da Neoépica

Sistema de lavagem de material da Neoépica

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigos da Neoépica na Revista PARC

Artigos da Neoépica na Revista PARC

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Arqueologia nas Escolas

Arqueologia nas Escolas

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

«
»

Vale Frio, Aljustrel

2009
Vale Frio, Aljustrel

Travessa das Dores, Lisboa

2013
Travessa das Dores, Lisboa

Travessa da Pena, Lisboa

2012
Travessa da Pena, Lisboa

Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

2013
Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

2009
 Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

Terraços do Carmo, Lisboa

2013
Terraços do Carmo, Lisboa

Terras do Javardo, Cascais

2014
Terras do Javardo, Cascais

Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

2014
Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

2015
Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

2010
Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

Rua Vieira Portuense, Lisboa

2013
Rua Vieira Portuense, Lisboa

Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

2016
Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

2007
Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

2015
Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

Rua do Salitre 122, Lisboa

2014
Rua do Salitre 122, Lisboa

Rua do Ouro 100, Lisboa

2014
Rua do Ouro 100, Lisboa

Rua do Jardim nº21, Lagos

2006
Rua do Jardim nº21, Lagos

Rua do Arsenal 60, Lisboa

2013
Rua do Arsenal 60, Lisboa

Rua Direita 14, Óbidos

2014
Rua Direita 14, Óbidos

Rua de Buenos Aires, Lisboa

2010
Rua de Buenos Aires, Lisboa

Rua das Escolas Gerais, Lisboa

2006
Rua das Escolas Gerais, Lisboa

Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

2014
Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

Rua da Adiça, Lisboa

2014
Rua da Adiça, Lisboa

Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

2015
Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

Rua Cândido dos Reis, Almada

2011
Rua Cândido dos Reis, Almada

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

2010
 Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

2009
Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

Quinta Nova 2, Évora

2008
Quinta Nova 2, Évora

Quinta de Cima, Colares(Sintra)

2014
Quinta de Cima, Colares(Sintra)

Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

2014
Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

2008
Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

2009
Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

2012
Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

Pedreira nº 6346, Santarém

2010
Pedreira nº 6346, Santarém

Pedreira nº 5821, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5821, Porto de Mós

Pedreira nº 5700, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5700, Porto de Mós

Pedreira nº 5492, Santarém

2009
Pedreira nº 5492, Santarém

Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

2013
Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

2012
Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

2013
Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

Pedreira 5551, Porto de Mós

2012
Pedreira 5551, Porto de Mós

Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

2010
Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

Parque da Pena, Sintra

2006
Parque da Pena, Sintra

Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

2006
Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

Palmares Resort, Lagos

2010
 Palmares Resort, Lagos

Palácio de Monserrate, Sintra

2007
Palácio de Monserrate, Sintra

Palácio da Cidadela, Cascais

2009
 Palácio da Cidadela, Cascais

Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

2015
Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

Monte das Flores, Évora

2011
Monte das Flores, Évora

Moinho de Vento 20-1, Amadora

2008
Moinho de Vento 20-1, Amadora

Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

2007
Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

Largo dos Trigueiros, Lisboa

2011
Largo dos Trigueiros, Lisboa

Largo da Assunção, Cascais

2010
 Largo da Assunção, Cascais

Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

2007
Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

Instituto Hidrográfico de Lisboa

2006
Instituto Hidrográfico de Lisboa

Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

2014
Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

2011
Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

Forte da Crismina, Cascais

2006
Forte da Crismina, Cascais

Figueiras 4, Serpa

2008
Figueiras 4, Serpa

Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

2014
Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

Estrada da Pena nº 12, Sintra

2016
Estrada da Pena nº 12, Sintra

Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

2009
 Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

2009
Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

2009
Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

Escola Secundária de Alcácer do Sal

2009
Escola Secundária de Alcácer do Sal

Parque Urbano das Mercês, Sintra

2009
Parque Urbano das Mercês, Sintra

Entre Águas 5, Serpa

2008
Entre Águas 5, Serpa

Costa do Castelo 77, Lisboa

2015
Costa do Castelo 77, Lisboa

Corça 2, Serpa

2008
Corça 2, Serpa

Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

2016
Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

2013
Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

2010
Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

Cerro do Leiria, Tavira

2010
Cerro do Leiria, Tavira

Casa de Sta Maria, Cascais

2012
Casa de Sta Maria, Cascais

Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

2013
Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

2016
Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

Calçada do Rio do Porto, Sintra

2013
Calçada do Rio do Porto, Sintra

Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

2015
Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

Beco dos Apóstolos, Lisboa

2013
Beco dos Apóstolos, Lisboa

Beco do Loureiro, Lisboa

2011
Beco do Loureiro, Lisboa

Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

2012
Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

Alto do Moinho Velho, Tires

2012
Alto do Moinho Velho, Tires

Alto do Cidreira, Cascais

2007
Alto do Cidreira, Cascais