Outros projectos

Entrada
Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 317

Intervenção Arqueológica na Rua do Recolhimento nºs 7-9, Lisboa

Ao longo dos trabalhos arqueológicos foram intervencionadas as áreas a ser afectadas pelo projecto de reabilitação do edifício, nomeadamente com o desentulhamento de um compartimento interior, desactivado após o terramoto de 1755, assim como o rebaixamento parcial da área do logradouro.
O edifício encontra-se numa zona de nível II de sensibilidade arqueológica, estabelecida no PDM de Lisboa, encontrando-se em área intramuros do Castelo de São Jorge e na Zona Geral de Protecção do Castelo de São Jorge e Restos das Cercas de Lisboa, classificados como Monumento Nacional pelo Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910. Localiza-se portanto numa zona extremamente sensível em termos patrimoniais e arqueológicos, apresentando ao nível do piso térreo uma área soterrada que se pensa que poderá ter sido parte integrante da área útil, posteriormente aterrada. A corroborar essa hipótese, apresenta vestígios de elementos arquitectónicos (arcos, porta…) entaipados na parede que encerra a referida área, para Este.
A intenção do proprietário em reabilitar o imóvel, motivou esta intervenção arqueológica a fim de esclarecer a possibilidade de vir a ocupar aquela área inacessível: uma sondagem inicial ao nível do piso1, sobre esta área aterrada, com a possibilidade de alargamento imediato; e outra sondagem no espaço de jardim, onde eventualmente se irá considerar a hipótese de criar um saguão para iluminar o espaço térreo.
Os trabalhos arqueológicos revelaram, acima de tudo, a presença de uma necrópole que se estende desde o espaço interior do imóvel até ao logradouro a Oeste, com uma utilização em termos de tempo bastante curta – no máximo 18 anos, entre o terramoto de 1755 e a reconstrução do edifício em 1773. Esta utilização poderá até ser bastante inferior, devido ao estado dos enterramentos e à análise estratigráfica da sucessão dos mesmos.
Como aconteceu com bastante frequência nesta zona do Castelo de São Jorge, muitos compartimentos foram entulhados e desactivados, como resultado dos derrubes e destruição causada pelo terramoto.
Os dados que foram possíveis de obter nesta escavação são bastante incompletos, devido aos trabalhos terem sido interrompidos por motivos comerciais, como já foi mencionado, o que limita a leitura do espaço e da estratigrafia.
Apesar dessas limitações, os trabalhos efectuados permitem demarcar uma sequência cronológica, nomeadamente através da análise da estratigrafia horizontal e parietal, que possibilita diferenciar várias fases de ocupação do espaço, como se apresenta de seguida.
Fase I
A sala do piso zero terá sido muito afectada com o terramoto e abandonada desde logo, com a sua utilização como área de despejo de entulhos, seja domésticos, seja de construção, com um primeiro nível de descarte de cerâmica, com carvões e cinzas, e algum, mas pouco material de construção, sobreposto por um nível com maior concentração de telhas, e por fim por despejos de derrubes de paredes, efectuados no sentido Oeste-Este, ficando com bastante inclinação. Estes níveis de aterro foram efectuados com a porta manuelina ainda em funcionamento. Esta fase terá ocorrido logo após o terramoto, provavelmente no período de remoção de escombros e limpeza dos espaços.
Fase II
A porta manuelina foi entaipada só nesta fase, pois verificou-se um interface de corte nos níveis de aterro já existentes na sala para esse processo de fecho da porta. Aparentemente, houve um alteamento das paredes, mais notório na parede Norte. Foram despejados novos níveis de aterro, para regularizar o espaço, devido ao nível de pendente dos aterros anteriores, provavelmente já com o intuito de se usar o espaço como necrópole.
Fase III
Utilização do espaço como necrópole, que terá ocorrido num tempo máximo entre 1755 e 1773, embora possa ter sido num espaço de tempo menor. A proximidade temporal entre enterramentos, que significou o corte de enterramentos anteriores, ainda com tecidos moles, para o máximo aproveitamento de espaço indica esse curto espaço de tempo.
A interpretação possível, dada pelo processo de escavação, permitiu aferir que se trata na sua maioria de indivíduos do sexo masculino (cerca de 66% entre confirmados e com maior probabilidade de serem do sexo masculino) e, em grande parte, imaturos e maturos muito jovens. A presença de espólio associado a muitos dos enterramentos, com um cariz religioso – terços, rosários, crucifixos, medalhas – demonstra uma homogeneidade na origem dos indivíduos. Apesar de se tratar de um espaço de tempo muito curto para todos os enterramentos, não se trata de uma vala comum, ou, o que seria de esperar num caso destes, de resultado directo do terramoto de 1755. A necrópole foi formada ao longo de um determinado período de tempo e não num ou dois momentos imediatamente a seguir ao terramoto. Por outro lado, trata-se de sepulturas individuais, posicionadas com orientação análoga Este-Oeste, Oeste-Este, e Norte-Sul, Sul-Norte junto à parede Este.
Há uma ausência de maior amplitude de idades e género, o que indica uma origem comum a pelo menos uma grande maioria dos indivíduos.
O edifício pertenceria ao Recolhimento Do Castelo, mas este é um recolhimento feminino. Nas proximidades existiu o Hospital dos Soldados de São João de Deus. É uma hipótese de proveniência destes indivíduos, mas em teoria deveria haver uma maior amplitude de idades, sendo também pouco provável que estes indivíduos fossem enterrados com espólio deste tipo, nomeadamente com terços e rosários ao pescoço.
Estes dados parecem aproximar mais de um espaço religioso como seria o Recolhimento, mas a quase ausência de enterramentos femininos confirmados (apenas 3), parece indicar que haveria uma área reservada a rapazes, no Século XVIII.
Há um desconhecimento do que se terá passado com aqueles espaços no período a seguir ao terramoto, com a excepção do abandono pelas ordens religiosas e pela coroa, na sua utilização como recolhimento feminino. Levantamos aqui a ideia de que terá havido uma mudança de funcionalidade adaptada à nova realidade pós-terramoto, com a sua utilização como orfanato, que recolhia crianças de ambos os sexos, e com origem mais díspar, ao contrário do recolhimento feminino dirigido à recolha e educação de meninas órfãs de origem nobre. Após o terramoto de 1755 muitas crianças ficaram órfãs e foram recolhidos por instituições por toda a cidade. Havendo uma necessidade de espaço para tal, o destruído Recolhimento poderá ter sido então adaptado. Os rapazes seriam ali criados até à idade de, por exemplo, se juntarem ao exército, como em outras instituições.
Mas o porquê de tantos enterramentos em tão pouco espaço de tempo só parece ter explicação nas epidemias que surgiram inevitavelmente após o terramoto, e ao longo de algum (certamente não muito) tempo. Os rapazes (e raparigas) que ali se encontravam recolhidos, e alguns adultos, terão padecido dessas epidemias, manifestando-se a necessidade de espaço para os enterramentos, e sendo assim aproveitada esta área que estaria ao abandono, usada para despejo de aterros e derrubes das estruturas, confirmada pelos níveis [199,1011,1012,1014,1015], e readaptada a espaço de necrópole, com regularização da área e encerramento de vãos.
Fase IV
Corresponde à reconstrução do edifício em 1773, que anulou completamente o compartimento e a necrópole, com a construção de alicerces que afectaram os enterramentos, e a divisão do espaço em dois, com o espaço actual exterior de logradouro e o interior, cortado pela fachada Oeste do edifício. Dividiu-se ainda o espaço actualmente interior em dois compartimentos, com uma parede Este-Oeste que se detectou na sondagem 1, um corredor e outra sala, por cima da abóbada do piso zero. A parte Norte da Sondagem 1 parece ter sido mantida com ligação ao espaço da Sondagem 2, e apenas separado posteriormente a esta reconstrução de 1773. Este facto é evidenciado pela porta Norte, na fachada entre as áreas 1 e 2, que assenta sobre os depósitos de enterramento e não os corta como acontece com o alicerce que faz um formato de “L”. Possivelmente até existiria ali um espaço aberto que terá sido fechado apenas mais tarde.
Fase V
Durante os séculos XX e XXI houve renovações e a construção de infra-estruturas que afectaram a necrópole, tanto no interior do edifício, como no exterior, mais evidente no espaço do logradouro.
Os trabalhos arqueológicos não foram concluídos, não tendo sido possível exumar todos os enterramentos identificados, assim como atingidas as cotas de obra, que irão incluir ainda bastantes enterramentos, tanto na Área 1 (interior) como na Área 2 (logradouro).
Recomenda-se a conclusão do diagnóstico iniciado, que terá de passar pela escavação manual de toda a área a ser intervencionada, com a presença permanente de antropólogos, necessários para a identificação, escavação e recolha dos inúmeros enterramentos.
Com base na única área que foi passível de ser escavada na totalidade (a zona Norte da Sondagem 1), uma área de 3m x 2m x 1m de profundidade, onde foram identificados e recolhidos 42 enterramentos (totais e parciais), estima-se uma previsão total de enterramentos para o total da área a ser intervencionada de cerca de 350 indivíduos, totais e parciais, já que foi confirmada a extensão de necrópole até ao limite Oeste da Sondagem 3 no logradouro.
O diagnóstico a concluir deverá ainda passar pela confirmação da cronologia e funcionalidade da abóboda existente ao nível do piso 0, que numa análise preliminar nos parece tratar-se de uma construção pré-terramoto, como mencionado anteriormente.

btn facebook

  • BANNERlevantamentosNEW
  • BANNERprojetoseventos

Arquivo

Sob a terra e as Águas

Sob a terra e as Águas

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Achados Arqueológicos do Carmo

Achados Arqueológicos do Carmo

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Sistema de lavagem de material da Neoépica

Sistema de lavagem de material da Neoépica

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigos da Neoépica na Revista PARC

Artigos da Neoépica na Revista PARC

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Arqueologia nas Escolas

Arqueologia nas Escolas

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

«
»

Vale Frio, Aljustrel

2009
Vale Frio, Aljustrel

Travessa das Dores, Lisboa

2013
Travessa das Dores, Lisboa

Travessa da Pena, Lisboa

2012
Travessa da Pena, Lisboa

Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

2013
Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

2009
 Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

Terraços do Carmo, Lisboa

2013
Terraços do Carmo, Lisboa

Terras do Javardo, Cascais

2014
Terras do Javardo, Cascais

Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

2014
Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

2015
Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

2010
Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

Rua Vieira Portuense, Lisboa

2013
Rua Vieira Portuense, Lisboa

Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

2016
Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

2007
Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

2015
Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

Rua do Salitre 122, Lisboa

2014
Rua do Salitre 122, Lisboa

Rua do Ouro 100, Lisboa

2014
Rua do Ouro 100, Lisboa

Rua do Jardim nº21, Lagos

2006
Rua do Jardim nº21, Lagos

Rua do Arsenal 60, Lisboa

2013
Rua do Arsenal 60, Lisboa

Rua Direita 14, Óbidos

2014
Rua Direita 14, Óbidos

Rua de Buenos Aires, Lisboa

2010
Rua de Buenos Aires, Lisboa

Rua das Escolas Gerais, Lisboa

2006
Rua das Escolas Gerais, Lisboa

Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

2014
Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

Rua da Adiça, Lisboa

2014
Rua da Adiça, Lisboa

Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

2015
Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

Rua Cândido dos Reis, Almada

2011
Rua Cândido dos Reis, Almada

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

2010
 Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

2009
Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

Quinta Nova 2, Évora

2008
Quinta Nova 2, Évora

Quinta de Cima, Colares(Sintra)

2014
Quinta de Cima, Colares(Sintra)

Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

2014
Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

2008
Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

2009
Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

2012
Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

Pedreira nº 6346, Santarém

2010
Pedreira nº 6346, Santarém

Pedreira nº 5821, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5821, Porto de Mós

Pedreira nº 5700, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5700, Porto de Mós

Pedreira nº 5492, Santarém

2009
Pedreira nº 5492, Santarém

Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

2013
Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

2012
Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

2013
Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

Pedreira 5551, Porto de Mós

2012
Pedreira 5551, Porto de Mós

Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

2010
Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

Parque da Pena, Sintra

2006
Parque da Pena, Sintra

Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

2006
Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

Palmares Resort, Lagos

2010
 Palmares Resort, Lagos

Palácio de Monserrate, Sintra

2007
Palácio de Monserrate, Sintra

Palácio da Cidadela, Cascais

2009
 Palácio da Cidadela, Cascais

Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

2015
Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

Monte das Flores, Évora

2011
Monte das Flores, Évora

Moinho de Vento 20-1, Amadora

2008
Moinho de Vento 20-1, Amadora

Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

2007
Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

Largo dos Trigueiros, Lisboa

2011
Largo dos Trigueiros, Lisboa

Largo da Assunção, Cascais

2010
 Largo da Assunção, Cascais

Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

2007
Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

Instituto Hidrográfico de Lisboa

2006
Instituto Hidrográfico de Lisboa

Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

2014
Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

2011
Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

Forte da Crismina, Cascais

2006
Forte da Crismina, Cascais

Figueiras 4, Serpa

2008
Figueiras 4, Serpa

Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

2014
Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

Estrada da Pena nº 12, Sintra

2016
Estrada da Pena nº 12, Sintra

Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

2009
 Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

2009
Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

2009
Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

Escola Secundária de Alcácer do Sal

2009
Escola Secundária de Alcácer do Sal

Parque Urbano das Mercês, Sintra

2009
Parque Urbano das Mercês, Sintra

Entre Águas 5, Serpa

2008
Entre Águas 5, Serpa

Costa do Castelo 77, Lisboa

2015
Costa do Castelo 77, Lisboa

Corça 2, Serpa

2008
Corça 2, Serpa

Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

2016
Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

2013
Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

2010
Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

Cerro do Leiria, Tavira

2010
Cerro do Leiria, Tavira

Casa de Sta Maria, Cascais

2012
Casa de Sta Maria, Cascais

Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

2013
Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

2016
Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

Calçada do Rio do Porto, Sintra

2013
Calçada do Rio do Porto, Sintra

Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

2015
Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

Beco dos Apóstolos, Lisboa

2013
Beco dos Apóstolos, Lisboa

Beco do Loureiro, Lisboa

2011
Beco do Loureiro, Lisboa

Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

2012
Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

Alto do Moinho Velho, Tires

2012
Alto do Moinho Velho, Tires

Alto do Cidreira, Cascais

2007
Alto do Cidreira, Cascais